16 de agosto de 2022

“FUI EU!” – MONSTER: DESEJO ASSASSINO

FICHA TÉCNICA:

Nome Original: Monster
Nome no Brasil: Monster – Desejo Assassino
Gênero: Biografia / Drama / Policial / Suspense
Ano: 2003
Duração: 1h 49min
Direção: Patty Jenkins
Roteiro: Patty Jenkins
Elenco Principal: Charlize Theron / Christina Ricci
País de produção: Estados Unidos

RESENHA (SEM SPOILERS):

Abuso sexual, drogas e prostituição
fizeram parte da vida de Aileen Wuomos desde a sua infância.
Mas ao conhecer Selby Wall, ela começa acreditar que sua vida
pode ser diferente do que conhecera até então.
Porém, ela descobre que não é simples se reinventar e volta a se prostituir.
E é justamente em um programa que se inicia sua série de mortes,
fazendo com que ela ficasse conhecida
como a primeira assassina em série dos Estados Unidos.
Em um roteiro que busca fazer o público entender
e à questionar as causas e efeitos na trajetória de Aileen,
temos um filme que é sem dúvida um dos melhores da década de 2000.
Imperdível!

Texto realizado ao som de Journey – Don’t Stop Believin’

NOTAS E CURIOSIDADE:

Charlize Theron ganhou o Oscar na categoria de Melhor Atriz em 29 de fevereiro de 2004,
aniversário de Aileen Wuomos, protagonista do filme;

Esse foi o primeiro longa-metragem da diretora Patty Jenkins depois de fazer dois curtas-metragens.
Ela não dirigiu outro por 14 anos, quando finalmente fez Mulher Maravilha em 2017.
Antes disso, ela tentou lançar ideias, incluindo uma para o filme Thor: Dark World (2013),
mas nenhum estúdio se interessou;

De acordo com Patty Jenkins, o filme foi rodado em 28 dias.
Até quatro cenas, ou nove páginas do roteiro, foram filmadas em um dia;

No intuito de evitar processos, a personagem de Christina Ricci recebeu o nome de Selby Wall,
na vida real a namorada de Aillen Wuomos se chama Tyria Moore.
Além do nome, cor dos cabelos, origem e tipo físico também foram mudados para adaptar a personagem;

O bar que Aillen frequentava foi usado para gravar o filme,
o Last Resort, e o dono, Al Buling, faz uma ponta como bartender;

O personagem Thomas foi inventado para o filme com a intenção de humanizar a protagonista;

Kate Hudson foi cogitada para o papel de Selby, mas recusou;

Steve Perry, ex-vocalista da banda Journey, foi o consultor musical do filme;

Patty Jenkins escreveu o roteiro em sete semanas, a produção foi montada em dois meses.

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!