3 de dezembro de 2021

“EU ENTERRO OS VIVOS” – O BAZAR DOS SONHOS RUINS

FICHA TÉCNICA:

Titulo: O bazar dos sonhos ruins
Título Original: The Bazaar of Bad Dreams
Autor: Stephen King
Gênero: Horror / Terror / Suspense / Terror Psicológico
Editora: Suma
Publicação: Original 2015
Número de Páginas: 528 páginas

RESENHA (SEM SPOILERS):

Neste livro o mestre Stephen King reuniu 20 histórias,
algumas já publicadas outras inéditas, mas todas reformuladas,
afinal uma boa história nunca está pronta.
O interessante deste livro é que antes de cada conto,
o autor faz uma breve descrição do conto
e das circunstâncias que o levaram a escrever.
São histórias sobre moralidade, vida após a morte, erros, culpa…
Um caldeirão de sentimentos e situações.
Alguns personagens estão no final da existência, atormentados pela culpa,
outros descobrem misteriosos poderes.

O livro, apesar de suas cerca de 500 páginas é de fácil leitura,
suas histórias curtas são de fácil leitura e o desfecho não demora a ocorrer,
tudo em um ritmo acelerado.

Vou dar uma breve descrição de cada um:

Milha 81:
Um garoto atrás de auto afirmação e acontecimentos sinistros e terríveis
em um descanso para motoristas num posto abandonado na milha 81 da rodovia.
Tenebroso.

Premium Harmony:
Uma história mais triste, que fala de dificuldades nos relacionamentos e perdas.

Batman e Robin têm uma discussão:
king retrata o relacionamento entre pai e filho, regido por uma doença, o Alzheimer.
No meio disso tudo, uma briga de trânsito tem consequências imprevisíveis.

A duna:
A história de um juiz e uma pequena ilha sem nome,
onde uma em duna o futuro, terrível e inevitável, aparece de tempos em tempos.

Garotinho malvado:
Uma história surpreendente e sobrenatural, sobre um homem perseguido por algo,
minando a sua felicidade e levando todos aqueles por quem ele tiver afeição.
Aterrorizante, principalmente o final.

Uma morte:
A história se passa no velho oeste.
Um homem é acusado de estupro e assassinato,
tudo depõe contra ele, mas o xerife começa a duvidar.
Nesta história não há nada de sobrenatural, mas tem um desfecho surpreendente.

A igreja de ossos:
Um dos dois poemas do livro.
É uma história contada por um bêbado.
Vale a pena para conhecer o estilo de poemas produzidos por Stephen King

Moralidade:
Um conto sobre limites.
Quanto custa a sua moral de uma pessoa e o quanto esta pessoa esté disposta a fazer por dinheiro.
Quais os limites do ser humano e o quanto as suas decisões podem afetar a su moralidade.

Vida após a morte:
Este conto trata de um dos maiores questionamentos da humanidade.
O que há depois da morte?
Stephen King trata do assunto de uma forma muito bem humorada,
onde um financista recém falecido encara o que existe após a morte.

Ur:
Para os fãs da série de livros “A torre negra” do autor,
uma história (bem mais longa que um conto) cheia de referências.
Um professoar apaixonado por livros resolve testar novas tecnologias, e compra um Kindle,
mas diferente dos aparelhos da época, de cor branca, chega um Kindle rosa.
Seria somente esta a coincidência?
Mas os fatos estranhos não pararam por aí.
O Kindle rosa tinha informações e obras muito diferentes do que ele,
professor de literatura inglesa, conhecia.

Herman Wouk ainda está vivo:
Dois grupos de pessoas se encontram em uma determinada situação.
Duas mulheres insatisfeitas com a vida, acompanhadas dos filhos e dois poetas
que fazem um piquenique na beira da estrada.

Indisposta:
Um publicitário, sua esposa e lady, sua cachorrinha em uma história bem marcante sobre negação.
Simplesmente aterrador!

Blockade Billy:
Uma história sobre baseball e a forma intensa como era jogado nas lembranças do autor.
Mas não se iluda, afinal, como disse King na apresentação do conto:
“E tome cuidado com a lâmina, Leitor Fiel. É um conto de Stephen King, afinal.”

Mister Delícia
Em um asilo, dois amigos conversam e um deles conta ao outro detalhes de sua vida.
Um conto a respeito da Aids e ser gay nos anos 80.

Tommy:
Um poema curto escrito para um conhecido de King, já falecido.

O pequeno deus verde da agonia:
Um conto sobre a dor e a agonia durante uma recuperação de um acidente.
King escreveu baseado em sua experiência pessoal,
após ter sido atropelado e passar por uma lenta recuperação.

Aquele ônibus é outro mundo:
Um homem que está indo a uma apresentação, preso no trânsito
observa a vida das pessoas ao seu redor quando presencia algo.
Mais uma prova de como King consegue fazer textos ótimos de situações corriqueiras
(e levar tudo para a tensão)

Obituários:
Um jornalista descobre um estranho poder.
Ao fazer um obituário ele acontece e a pessoa morre realmente,
as vezes não como descrito, mas norre de forma bem similar.
Uma das melhores histórias do livro e lembra bastante Death Note.

Fogos de artifício e bebedeira:
Nunca beba demais e use fogos de artifício.
A história de uma verdadeira guerra entre duas famílias com um desfecho bem cômico.

Trovão de verão:
Para fechar o livro um conto sobre um futuro pós apocalíptico.
Um sobrevivente e seu cachorro.
A única companhia é um vizinho idoso.

Resenha escrita ao som de AC/DC – Stiff Upper Lip

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!