10 de agosto de 2022

“ESTAMOS SENDO ATORMENTADOS POR LIVROS” – CANÇÃO DE SUSANNAH

FICHA TÉCNICA:

Titulo: A Torre Negra – Canção de Susannah
Título Original: The Dark Tower – Song of Susannah
Autor: Stephen King
Gênero: Terror / Fantasia / Romance / Ação / Ficção
Editora: Suma
Publicação: 2004
Número de Páginas: 408 páginas

Como se trata de uma série de livros, é muito difícil fazer uma resenha dos volumes seguintes
sem comentar fatos do livro anterior, mas vou procurar tentar fazer isso de forma o mais discreta possível.

RESENHA (SEM SPOILERS):

O livro continua onde Os lobos de Calla parou, e nele Susannah é possuída pelo demônio Mia
(acreditem, é muito difícil falar destas histórias sem dar Spoiler, mas acho que estou conseguindo)
e fogem para Nova Iorque com a intenção de dar a luz ao bebê de Susannah.
O livro trata da luta do demônio que queria apenas se tornar mãe e uma mulher
que precisa lutar para manter o controle de seu corpo e de sua sanidade.

Do outro lado o Ka-tet tem de se separar e tentar resolver dois problemas ao mesmo tempo.
Resgatar Susannah e impedir o nascimento do “chapinha”, como é chamado o bebê na obra,
e ao mesmo tempo lidar com a ameaça à rosa, que é a representação da torre negra em nossa realidade.
Eles então se dividem, Jake e Callahan vão para 1999 tentar encontrar Susannah antes do nascimento,
enquanto Rolland e Eddie vão para 1977, para tentar garantir a segurança da rosa.

Resenha escrita ao som de The Art Company – Susanna

NOTAS E CURIOSIDADES:

Em 1999 Stephen King foi atropelado e ficou a beira da morte, e isso o abalou bastante.
Cogitava-se que ele nunca terminaria A Torre Negra.
As obras escritas depois do acidente tiveram bastante influência,
e com a torre negra não poderia ser diferente.
Neste livro vamos encontrar uma passagem importante para mostrar o quanto isso afetou a King,
principalmente quando Rolland e Eddie encontram um personagem inesperado.
Importante a leitura do posfácio do livro,
pois temos todo o desfecho deste encontro e algo inesperado no final!

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!