30 de novembro de 2021

“OU ESTAMOS SOZINHOS NO UNIVERSO OU NÃO ESTAMOS” – 2001: UMA ODISEIA NO ESPAÇO

FICHA TÉCNICA:

Titulo: 2001: Uma Odisseia no Espaço
Título Original: 2001: A Space Odyssey
Autor: Arthur C. Clarke
Gênero: Ficção / Ficção científica
Editora: Editora Aleph
Publicação: 1968
Número de Páginas: 336 páginas

“Tenho certeza de que o universo é cheio de vida inteligente.
Tem sido inteligente demais para vir aqui.” Arthur C. Clarke

RESENHA (SEM SPOILERS):

Escrito por Arthur C. Clarke, matemático e físico,
este livro entrega uma ficção científica extremamente
embasada em possibilidades reais,
algumas tecnologias descritas nele, inclusive,
foram utilizadas pela Nasa posteriormente.

A alguns milhões de anos, os descendentes da civilização humana,
ainda primatas, estavam prestes a desaparecer
antes mesmo de ter os seus primeiros passos rumo ao raciocínio.
A chegada de um estranho objeto, um monólito de cristal,
mudou esta tribo os inspirando ao pensamento.
Cumprida a sua missão, a pedra desaparece, assim como surgiu.
Depois de muito tempo, uma missão descobre uma pedra similar soterrada na Lua.
A pedra aparenta ser nova, mas estudos mostram que ela está lá
desde antes do aparecimento da humanidade, e não é natural.
Uma missão é enviada a Saturno, rastreando um sinal enviado pela pedra,
assim que foi descoberta.

O livro traça um raciocínio a respeito de inteligência artificial e dos problemas
que podem ser causados por um computador consciente,
e da existência de vida inteligente fora da terra.
Outro detalhe é que a obra tem longos trechos de explicações científicas,
mas não se impressione com isso.
Arthur C. Clarke consegue fazer isso de uma forma bem interessante e competente,
sem ser simplório ou extremamente técnico.

Resenha escrita ao som de Avenged Sevenfold – Exist

NOTAS E CURIOSIDADES:

O livro foi escrito ao mesmo tempo que o filme de 1968 (em conjunto),
produzido e dirigido por Stanley Kubrick.
Enquanto o filme é um pouco mais enigmático,
o livro opta por ter explicações mais detalhadas,
da origem do monólito e outros assuntos.

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!