3 de dezembro de 2021

“NUNCA SEREI SUA” – UM ROSTO NO COMPUTADOR

FICHA TÉCNICA:

Titulo: Um rosto no computador
Autor: Marcos Rey
Gênero: Aventura
Editora: Global Editora / Ática (Original)
Coleção/Arco: Vagalume
Publicação: Original 1992
Número de Páginas: 136 páginas

RESENHA (SEM SPOILERS):

É a volta do trio de detetives Léo, Gino e Angela.
Desta vez os detetives investigam o desaparecimento da ganhadora
de um concurso de beleza que foi realizado no Emperor Park Hotel.
Mas o que teria acontecido com Camélia
(ou Lia Magno, como foi chamada pelo empresário)?
Sequestro, Assassinato? Sem muitas pistas
o trio vai ter de usar de muita força de dedução,
pois a única pista são algumas camélias e um postal de Paris.
Neste livro temos uma grande preocupação de Marcos Rey
de valorizar bastante os estudos e o trabalho,
fazendo uma crítica social, na forma do jovem hóspede rico
que procura humilhar Leo quando tem oportunidade.
Já temos a identidade do criminoso antes do desfecho do livro,
mas isto faz parte do desenvolvimento,
trazendo uma tensão para a situação de Lia.

Resenha escrita ao som de Radiohead – Exit Music

NOTAS E CURIOSIDADES:

O livro é ambientado na década de 90 e é quarta aventura
e a despedida do trio de detetives Léo, Gino e Angela.
Se passa com eles mais velhos, Léo, promovido para chefe dos mensageiros,
Angela terminando os estudos e Gino entrando na era da informática.

No livro, o criminoso exibe para a vítima o filme “O Colecionador”, de 1965 de William Wyler,
onde o criminoso sequestra uma mulher, obcecado por uma paixão doentia.
O paralelo do filme com sua situação tortura ainda mais modelo sequestrada.
Este filme é baseado em um livro com o mesmo nome, lançado em 1962.

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!