3 de dezembro de 2021

“MANTENHAM AS LUZES ACESSAS” – ALONE IN THE DARK: THE NEW NIGHTMARE

APRESENTAÇÃO:

Alone In The Dark: The New Nightmare é um jogo de survival horror,
desenvolvido pela Darkworks e publicado pela Infogrames.
Foi lançado para PC, Dreamcast, PS1, PS2 e Game Boy Color em 2001,
e relançado em 2012 para Playstation 3 e PSP pelo serviço da PSN.

O jogo com o detetive Edward Carnby começa numa floresta sinistra.

HISTÓRIA:

No dia 31 de Outubro de 2001,
O detetive sobrenatural chamado Edward Carnby, investiga um perigoso mistério,
trata-se do desaparecimento de seu colega, Charles Fiske na Ilha de Shadow Island.
Sua investigação o leva até um homem chamado Frederick Johnson,
que o informa que Fiske está morto,
e que havia seguido para a ilha para coletar três artefatos antigos.
Johnson apresenta Carnby à Aline Cedrac, uma professora de arqueologia.
Ela deverá seguir com Edward para a Ilha e achar os artefatos misteriosos,
e encontrar com o Professor Obed Morton, que lá mora em sua mansão.
Enquanto estão sobrevoando a costa da Ilha, o avião deles é atacado por uma criatura,
que por consequência entra em pane, obrigando Aline e Edward à pularem de paraquedas.
Enquanto o avião cai em um pântano, Aline aterrissa no telhado da Mansão Morton,
e Edward cai em uma floresta nas proximidades.
E aí o jogo começa …

Quanto mais luzes estiverem clareando o ambiente, melhor!

GAMEPLAY:

Logo no início…
o jogador pode escolher qual dos dois protagonistas, ele quer começar o game.
começando com Carnby o enredo é baseado em lutar contra os monstros,
particularmente usando um revólver, shotgun ou lançador de granadas etc…
Enquanto Aline é mais centrada principalmente em resolução de quebra-cabeças.
Os dois ocasionalmente se encontram pelo jogo nas áreas onde o enredo se cruzam.
Os inimigos do game se parecem com sombras vivas e aparecem do “nada”.
A luz desempenha um papel significativo neste jogo, pois os inimigos são muito sensíveis a luz,
então ao entrar numa sala escura ou corredor, deve-se imediatamente procurar um interruptor
e ligar as luzes do local e isso é muito importante no jogo, pois evita que os monstros apareçam.
E tambem tem a boa e velha lanterna do personagem, que pode repelir certas criaturas,
e pode ser usada para iluminar as salas escuras do jogo para descobrir itens e segredos.
Além disso é possível matar as critaturas, se usar alguma arma com munição que produz luz,
como balas de magnésio (balas de 9 Mm) e cartucho de fósforo (balas de shotgun).
e não poderia deixar de falar que se tratando de um survival horror,
a quantidade de munição é muito limitada, assim como itens de cura também.

Os cenários são sombrios e belos.

O jogo tem um mapa bem fácil do jogador se localizar,
e quanto ao inventário do game, este é bem simples e intuitivo de se usar.
uma outra coisa bem interessante nesse jogo é o seu “savegame”.
Para salvar o jogo, o jogador precisa encontrar um item chamado “Charms of Saving”,
com este item o jogador pode salvar o jogo a qualquer momento.
isso é muito bacana pois permite um progresso mais rápido,
pois o jogador não precisa refazer todo o seu caminho no caso de game over.
As histórias dos protagonistas do game vão se relacionando a todo instante.
pois como cada um possui um walkie-talkie, para se comunicar sempre que o jogador quiser.
Basta pressionar um botão, e poderá chamar seu parceiro e ver como ele se encontra.
Dá para sentir um pouco do drama que o outro está passando naquele momento.
o walkie-talkie traz muita imersão a história e ajuda a entender certos fatos do game.
Isso só demonstra que o enredo está bem amarrado para ambos os personagens.

Se começar o jogo com a arqueóloga Aline Cedrac, a campanha começa na mansão.

GRÁFICOS E SONS:

O visual do game é maravilhosamente lindo e assustador.
como disse antes, a luz desempenha um papel significativo neste jogo….
Tanto em gameplay quanto visualmente falando,
quando você usa a lanterna para iluminar algum objeto ou canto do cenário,
ela faz sombras que algumas vezes, dá para confundir com alguma criatura.
Os efeitos sonoros são ótimos e aumentam a tensão de perigo do jogo,
são muito bem feitos por sinal, tipo o barulho da água, dos tiros, dos gritos etc…
Pode acreditar que até o silencio nesse jogo é bastante perturbador.
A musica do game é muito macabra, misteriosa e aterrorizante!

Esses corredores podem esconder diversos perigos.

DUBLAGEM:

Todos os personagens foram muito bem dublados e apresentam uma excelente performance.
Nos EUA, foram usados atores que já haviam emprestado suas vozes para outros jogos,
além de fazerem algumas participações e trabalhos de dublê em alguns filmes de Hollywood.
Já na versão brasileira do jogo, os dubladores trabalham na área de dublagem de filmes e desenhos.
Entre eles está Sérgio Moreno como Edward, que dá a voz a Jack Sheppard na 1ª e 2ª temporada de Lost,
e Márcia Regina, que faz a voz da Misty em Pokémon e de Sara Tancredi no seriado Prison Break.
Um excelente trabalho profissional digno de aplausos.

A campanha da Aline Cedrac tem poucos inimigos e muito mais quebra-cabeças.

CONCLUSÃO:

Alone in the Dark: The New Nightmare consegue se reinventar dentro do gênero,
Apesar da comparação óbvia com Resident Evil e Silent Hill.
O game traz duas histórias com visões diferentes dentro da mesma campanha.
por isso não é um game curto, principalmente jogando pela primeira vez,
pode se levar até 10 horas com cada personagem para terminar.
Tem um fator replay alto, com gráfico bonitos e ótima trilha sonora.
A história é ótima, o clima é assustador e é muito divertido de se jogar.
Nem preciso dizer pra quem é indicado, só basta saber de uma coisa…
não esqueçam de manter as luzes acessas quando for jogar, é sério!

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!