1 de dezembro de 2021

“PARA TODOS OS MALES, HÁ DOIS REMÉDIOS: O TEMPO E O SILÊNCIO” – O CONDE DE MONTE CRISTO

FICHA TÉCNICA:

Titulo: O Conde de Monte Cristo
Título Original: Le Comte de Monte-Cristo
Autor: Alexandre Dumas
Gênero: Fantasia / Ficção / Romance
Editora: Martin Claret
Publicação: Original 1844 – 1846
Número de Páginas: 1.304 páginas

RESENHA (SEM SPOILERS):

O livro se passa na França, no início do século XIX
e conta a história de Edmond Dantes,
um marinheiro humilde e feliz, noivo da bela Mercedes Herrera.
Dantes acaba de se tornar capitão do Navio Faraó,
e se torna alvo da inveja de Fernand Mondego, que deseja sua noiva,
e de Danglars, que inveja o seu futuro promissor e o posto de capitão.
Ajudados pelo procurador Gerard de Villefort,
conseguem enredar Dantes em uma falsa acusação de espionagem
e ele passa 14 anos preso no “Castelo de IF”,
de onde nunca ninguém conseguiu fugir.
Na prisão conhece o Abade Faria, um padre italiano culto, cientista e poliglota,
tido como louco, pois afirmava a existência de um tesouro em Monte-Cristo.
Juntos planejam uma fuga, mas o padre morre antes de executarem o plano.
Dantes consegue fugir e recupera o tesouro,
partindo para uma vingança onde quer o máximo sofrimento,
de forma lenta e dolorosa, para os que o colocaram na prisão.
O livro é todo narrado em terceira pessoa.

NOTAS E CURIOSIDADES:

  • Seu nome verdadeiro foi Dumas Davy de La Pailleterie,
    nasceu em julho de 1802, e faleceu em 1870 na França.
    Neto do marquês Alexandre Antoine Davy de la Pailleterie
    e de uma escrava (ou liberta, não se sabe ao certo) negra, Marie-Césette Dumas.
    Seu pai foi Thomas Alexandre Davy de la Pailleterie,
    conhecido como General Dumas, grande figura militar de sua época.
    O livro foi escrito em episódios entre os anos de 1844 e 1846,
    e quando começou a escrever os capítulos de “O Conde de Monte Cristo”,
    o autor já era bastante conhecido e ganhava por cada linha escrita,
    dizem ser este o motivo de alguns trechos mais maçantes do livro,
    com partes desnecessárias, preenchendo várias linhas com diálogos.
    Foi também conhecido como Alexandre Dumas, Pai,
    teve uma vida boêmia filhos fora do casamento.
    Um deles recebeu o seu nome e também seguiu a mesma carreira,
    sendo chamado de Alexandre Dumas, filho para não confundir suas obras.
  • O título do livro surgiu após uma viagem de Alexandre Dumas a Ilha de Monte-Cristo.
  • O Conde de Monte Cristo já foi adaptado inúmeras vezes, tanto no cinema quanto na televisão.
    Somente no cinema tem cerca de 10 adaptações.
    Foram produzidos Filmes, séries (Revenge), novelas (Avenida Brasil, O Outro lado do paraíso…).
  • Também foi feito um anime, “Gankutsuou: O Conde de Monte Cristo”, criado por Mahiro Maeda.
    Originalmente baseado na obra “The Stars My Destination” de Alfred Bester,
    mas por questão de direitos autorais, Maeda adaptou o romance de Dumas,
    que serviu de inspiração para Bester.
    Este anime também originou um CD Drama,
    uma série de light novels do roteirista Shuichi Kouyama,
    e um mangá escrito e ilustrado por Maeda entre 2005 e 2008.

Resenha escrita ao som de Metallica – The Unforgiven

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!