3 de dezembro de 2021

“ALGUNS LIVROS PODEM MATAR” – O NOME DA ROSA

FICHA TÉCNICA:

Titulo: O Nome da Rosa
Título Original: Il nome della rosa
Autor: Umberto Eco
Gênero: Ficção
Editora: Record / BestBolso / Outras
Publicação: Original 1980
Número de Páginas: 574 páginas / 592 páginas

RESENHA (SEM SPOILERS):

Em 1327 O frei Guilherme de Baskerville,
conhecido pelo seu raciocínio lógico apurado,
é enviado a um mosteiro beneditino para participar de uma discussão
entre franciscanos e delegados papais para discutir a pobreza de Cristo,
mas a morte de sete monges em sete dias o leva a aceitar uma investigação
envolvendo heresia, ambição, luxúria e um livro perdido
escrito por Aristóteles e considerado maldito pela igreja.
Com ares de Sherlock Holmes, Guilherme vai elucidando o mistério,
narrado pelo noviço Adso de Melk (elementar meu caro Watson),
seu assistente e aluno.

NOTAS E CURIOSIDADES:

  • Foi seu primeiro romance, publicado em 1980 e tornou-se um sucesso de vendas,
    fazendo com que o autor fosse reconhecido internacionalmente.
  • O Livro também originou o filme com o mesmo nome,
    estrelado por Sean Connery, em 1986.
  • Alguns personagens e fatos narrados no livro são reais,
    mas os eventos do livro são fictícios,
    a exemplo do inquisidor Bernardo Gui (1261-1331 e.c.),
    mas nunca esteve na região.
  • Menciona também os dolcinianos,
    seguidores de uma seita considerada herege pela Igreja,
    originada dentro da Irmandade Apostólica, com fortes influências franciscanas.
  • A abadia de inspiração foi o complexo religioso de San Michele,
    na região de Piedmont, norte da Itália, construído no século X
    e que existe até hoje, local visitado por Umberto Eco,
    mas o filme e suas tomadas externas aconteceram na fortaleza de Rocca Calascio,
    na província de L’Aquila, região de Abruzzo, centro da Itália,
    as cenas no interior foram feitas na abadia Eberback na Alemanha,
    e as cenas da biblioteca no Castel del Monte, Apulia.

Resenha escrita ao som de Carl Orff – Carmina Burana

SFC – Onde quase todo dia é Sexta-feira!